Nebulosa

Nebulosa é uma nuvem de poeira, hidrogênio e plasma.

Temos quatro tipos de nebulosa:


Nebulosa de Órion
Nebulosa de emissão: é uma nebulosa que rodeia uma estrela quente e difunde a energia recebida em forma de radiação, com um espectro marcado por linhas brilhantes de hidrogénio.

A cor vermelha característica de muitas destas nebulosas é devida, justamente, à linha alfa de hidrogénio.

Um exemplo de nebulosa de emissão é a  Nebulosa de Orion.


Nebulosa de Reflexão: são nuvens de poeira que simplesmente refletem a luz de uma ou mais estrelas vizinhas.

Nebulosa M 78
Elas não são quentes o suficiente para provocar a ionização no gás da nebulosa como as nebulosas de emissão, mas são brilhantes o suficiente para tornarem o gás visível.

Por isso, o espectro das nebulosas de reflexão é semelhante ao das estrelas que as iluminam.

Por entre as partículas microscópicas responsáveis pela dispersão estão compostos de carbono (por exemplo, pó de diamante) e de outros elementos, em particular ferro e níquel.

Estes últimos dois estão muitas vezes alinhados com o campo magnético e fazem com que a luz dispersa seja ligeiramente polarizada.

A distinção entre estes dois tipos de nebulosas foi feita por Hubble em 1922.

São regularmente azuis devido à dispersão ser mais eficiente na luz azul que na vermelha (é o mesmo processo que dá a cor azul ao céu e os tons vermelhos do pôr-do-Sol).

As nebulosas de reflexão e as nebulosas de emissão são muitas vezes observadas juntas e são por vezes referidas como nebulosas difusas.

Um exemplo disto é a  Nebulosa M 78 (Messier 78).

As nebulosas de reflexão são muitas vezes locais de formação estelar.


Nebulosa do Saco de Carvão
Nebulosa Escura: é uma grande nuvem molecular, as quais se apresentam como regiões pobres em estrelas onde a poeira do meio interestelar parece estar concentradas.

Nebulosas escuras podem ser vistas quando elas obscurecem parte de uma nebulosa de reflexão ou uma emissão (por exemplo a  Nebulosa Cabeça de Cavalo) ou se elas bloqueiam estrelas de fundo (por exemplo a  Nebulosa do Saco de Carvão).

As maiores nebulosas escuras são visíveis a olho nu, elas aparecem como caminhos escuros contra o fundo brilhante da Via Láctea.


Nebulosa Planetária: é um objeto astronômico (nomeadamente, uma nebulosa de emissão) que é constituído por um invólucro brilhante em expansão de plasma e gás ionizado, expulsa durante a fase de ramo gigante assimptótico que atravessam as estrelas gigantes vermelhas nos últimos momentos das suas vidas.

O nome é devido a que os seus descobridores, no século XVIII, observaram que a sua aparência era similar aos planetas gigantes vistos através dos telescópios ópticos da época, embora realmente não tenham relação alguma com os planetas.

Nebulosa da Hélice
Trata-se de um fenômeno relativamente breve em termos astronômicos, que dura por volta de dezenas de milhares de anos (o tempo de vida de uma estrela comum ronda os dez mil milhões de anos).
No final da vida das estrelas que atingem a fase de gigante vermelha, as camadas exteriores da estrela são expelidas devido a pulsações e a intensos ventos estelares. 

Após a expulsão destas camadas, subsiste um pequeno núcleo da estrela, o qual se encontra a uma grande temperatura e brilha intensamente. 

A radiação ultravioleta emitida por este núcleo ioniza as camadas externas que a estrela tinha expulsado.

As nebulosas planetárias são objetos importantes em astronomia, por desempenharem um papel crucial na evolução química das galáxias, libertando ao meio interestelar metais pesados e outros produtos da nucleossíntese das estrelas (como carbono, nitrogênio, oxigênio e cálcio). 

Nas galáxias afastadas, as nebulosas planetárias poderão ser os únicos objetos dos quais podem ser retiradas informações acerca sua composição química.

As imagens fornecidas pelo telescópio espacial Hubble revelaram que muitas nebulosas planetárias apresentam morfologias extremamente complexas e variadas.

Cerca de um quinto delas mostram formas aproximadamente esféricas.

Os mecanismos producentes desta grande variedade de formas não é compreendido ainda muito bem, mas as estrelas binárias centrais,os ventos estelares e os campos magnéticos poderiam desempenhar um papel de destaque.

Um exemplo de nebulosa planetária é a  Nebulosa da Hélice


Veja mais sobre nebulosas em :
http://lenteestelar.blogspot.com/search/label/Nebulosas